Notícias

01/12/2017

Presidente do SINDIHOSPA participa do Simpósio Internacional de Saúde Planetária e Gestão Ambiental

Nesta sexta-feira (1), o presidente do Sindicato dos Hospitais e Clínicas de Porto Alegre (SINDIHOSPA), Henri Siegert Chazan, participou do 1º Simpósio Internacional de Saúde Planetária e Gestão Ambiental do Grupo Hospitalar Conceição (GHC). O evento tem como objetivo sinalizar, de maneira mais efetiva, o que publicações internacionais tem destacado como uma nova ciência, chamada Saúde Planetária. 


Chazan participou como debatedor do painel "Como os Gestores ou Legisladores Podem Incorporar os Conhecimentos sobre Saúde Planetária nas suas Decisões?". O encontro discutiu a saúde da civilização humana e o estado dos sistemas naturais em que vivemos, tendo em vista que estes estão sendo degradados, alguns sem precedentes na história, com efeitos conhecidos e outros ainda não conhecidos e não quantificados sobre a saúde humana, exigindo, para seu enfrentamento, ações coletivas em âmbito local e global. 
 
 

Durante o evento, foram levados a reflexão temas importantes como “Saúde Global, Desafios e Determinantes: oportunidades para a Saúde Pública e a Contribuição do Setor Saúde”, “Mudanças Climáticas e o risco para o Brasil”, “Saúde Planetária como Novo Campo de Conhecimento”, “Políticas Públicas com Foco na Saúde Planetária”, entre outros.

O diretor técnico do GHC, Mauro Sparta, destacou a relevância do simpósio, afirmando que a saúde está interligada com a questão ambiental. Conforme ele, questões como saneamento básico, descarte de resíduos e contaminação de lençóis freáticos são difíceis e devem ser enfrentadas. “Nós temos que provocar estes assuntos para que as autoridades se sensibilizem”, disse.

Já o diretor administrativo e financeiro do GHC, José Ricardo Agliardi Silveira, afirmou que meio ambiente, inovação e prevenção são temas que precisam fazer parte do processo de desenvolvimento institucional. “Há necessidade de fortalecer e investir em práticas de ensino e pesquisa. Toda organização que almeja estar inserida na vanguarda de sua área de atuação tem como um dos pilares o ensino e a pesquisa. E eventos como este proporcionam um debate com toda a sociedade”, complementou.

O vice-presidente da Comissão de meio ambiente da Câmara Federal, deputado federal Carlos Gomes, parabenizou o GHC pela iniciativa, devido à importância do tema. “Só mesmo a saúde planetária para combater a doença planetária”, sentenciou Gomes. 

O parlamentar revelou que o Brasil gera por ano cerca de 76,6 milhões de toneladas de resíduos sólidos, sendo 51% destes orgânicos, que muitas vezes vão para lixões e aterros. Conforme ele, o impacto ambiental gerado faz com que o país gaste anualmente aproximadamente 350 milhões de dólares para tratar as doenças causadas pela má gestão do lixo. “Este evento está desenvolvendo consciência e conhecimento”, finalizou.

A conferência de abertura foi proferida por Carlos Dora e tratou sobre a Saúde Global, Desafios e Determinantes: Oportunidades para a Saúde Pública e a Contribuição do Setor Saúde. 
 

Colaborou: Andréa Araujo - imprensa GHC