Notícias

04/12/2017

Seminário discute modelos de remuneração e tecnologia para a gestão em saúde

Seminário de Gestão: Tendências e Inovações na Saúde é uma parceria do FEHOSUL com o SINDIHOSPA

 

Novos modelos de remuneração e uso de tecnologias inovadoras para gestão de compras e controle de custos foram os principais temas em debate na quarta edição do Seminário de Gestão — Tendências e Inovações em Saúde. O evento, realizado pela FEHOSUL (Federação dos Hospitais e Estabelecimentos de Saúde do Rio Grande do Sul) em parceria com o SINDIHOSPA (Sindicato dos Hospitais e Clínicas de Porto Alegre), ocorreu na tarde desta sexta-feira (1), no Hotel Sheraton, em Porto Alegre.

 
Experiências, análises e perspectivas sobre o setor foram compartilhadas por gestores de entidades e instituições de referência no Estado e no país. No primeiro painel, João de Lucena Gonçalves, coordenador do Departamento de Saúde Suplementar da CNS (Confederação Nacional de Saúde), avaliou a relação entre operadoras e prestadores. Segundo ele, é necessária uma reestruturação completa dos modelos de remuneração, que integre todos os participantes da cadeia. "Os riscos dos cuidados de saúde ocorrem por falhas de um sistema desestruturado, em que ações isoladas não são suficientes", ressaltou. 
 
  
João de Lucena Gonçalves, da Confederação Nacional de Saúde   Primeiro painel debateu modelos de remuneração 
 
A partir da avaliação de modelos alternativos ao fee for service, como Per Diem, Bundle Payment, DRG, Captation, Global Payment, Gonçalves expôs os desafios do setor para incorporar novas formas de remuneração sem prejudicar o andamento dos serviços. "A questão é que teremos que trocar o pneu com o carro andando. Para isso, temos que assumir os riscos financeiros e os cuidados de saúde para entregar valor ao paciente. É isso que vai dar sustentabilidade ao setor", disse.  
 
Novas tecnologias para a gestão
 
Denis Neves, head de Inteligência de Mercado da Bionexo, esclareceu aspectos ligados à aplicação clínica de big data, grande conjunto de dados armazenados que, quando processados, podem auxiliar no gerenciamento das organizações. Segundo Neves, o correto uso das informações, associadas ao machine learning, otimizam a predição de doenças pelas condições, hábitos e perfil genético dos pacientes.
 
 
Denis Neves esclareceu aplicação de big data
 
"Todas as entidades que não nasceram digitais, como os hospitais, terão de buscar o caminho para a sua transformação digital. A eficiência de gestão passa necessariamente por esse processo", argumentou. A tecnologia, defendeu, não apenas determina cada vez mais os resultados de uma instituição, mas também o posicionamento nos mercados mais competitivos. "No fim, o que mais importa nessa conversa é o valor que estaremos gerando para os nossos pacientes", afirmou.
 
No terceiro painel, Aline Silva Medeiros, médica consultora da Optum/UnitedHealth Groupon, tratou do IPG (Inpatient Grouper), modelo de análise de dados e de remuneração que pretende dar maior previsibilidade aos fluxos de caixa e aos desfechos clínicos das instituições. "A gente olha para o futuro, mas temos que sair do lugar com o que a gente tem, e é essa a premissa desse sistema", explicou.
 
  
Debate sobre novos modelos de remuneração DRG/IGP   Aline Silva Medeiros, consultora da da Optum/UnitedHealth Groupon
 
O IPG foi desenvolvido especificamente para a realidade brasileira, a partir de informações disponíveis e verificáveis. "Eu acredito muito no poder dos dados, tanto em engenharia como em medicina são eles que nos mostram com o que podemos lidar", afirmou Aline. A ferramenta prevê a leitura e o processamento de guias de cobrança de internações, identificando diagnósticos, procedimentos realizados e os fatores que possam atribuir risco à internação.
 
As experiências da utilização do DRG (Diagnosis Related Group) pelo Hospital Mãe de Deus e Unimed Porto Alegre foram o foco do último painel do seminário. O superintendente médico da instituição, Luiz Felipe Gonçalves, e o diretor de provimento de saúde da Unimed, Salvador Gullo, falaram sobre os resultados desse método de gestão, que consiste em um sistema de classificação que relaciona os tipos de procedimentos realizados e os recursos consumidos no atendimento do paciente.
 
  
Case da implantação do DRG no Hospital Mãe de Deus foi discutido   Presidente do SINDIHOSPA, Henri Siegert Chazan
 
Destaques da Saúde 2017
 
Após as palestras, ocorreu a entrega do prêmio Destaques da Saúde 2017, homenageando personalidades e instituições do setor. A premiação é realizada pela FEHOSUL, SINDIHOSPA e AHRGS (Associação dos Hospitais do Rio Grande do Sul). Confira os vencedores:
 
CEO DO ANO
 

Dr. Alceu Alves da Silva, superintendente executivo do Hospital Mãe de Deus e Sistema de Saúde Mãe de Deus
 

EMPREENDIMENTO DO ANO
 

Hospital Moinhos de Vento
 
 
PERSONALIDADE NACIONAL
 

Dr. Tércio Kasten, presidente da Confederação Nacional de Saúde
 

CLÍNICA DE DESTAQUE
 
Clínica Kozma
 

SÓCIO BENEMÉRITO DA AHRGS
 

Dr. Paulo Schuller Maciel, ex-presidente da associação
 

HOMENAGEADO SINDIHOSPA
 

Dr. Leomar Bammann, ex-presidente do sindicato